quinta-feira, 21 de julho de 2011

Parece que o jornal I, um dos poucos bastiões do fotojornalismo como deve ser cá no nosso burgo, acabou de "correr" com os fotografos que faziam a casa: a Céu, editora, e por arrasto o pessoal da Kamera. E assim vai o NOSSO mundo, a qualidade, lentamente, perdendo terreno para o barato. Que interessa a quem paga ter bom, quando pode poupar dinheiro? Esta é uma das perguntas das quais depende o futuro da profissão, não duvidem. Ainda vai havendo quem tente lutar a causa justa, quem tente praticar e editar e ensinar Fotojornalismo com F grande (F esse pudendo aplicar-se noutras circunstâncias, também relacionadas, enquanto desabafo...), quem não se esqueça que grandes imagens fazem a história e que esta não reza dos fracos, mas já são poucos e também têm contas para pagar - Sim, somos produtores de conteúdos, mas de conteúdos com alma, criação nossa, olhar que de cada vez é unico.. Longe vão os tempos da luta de Capa e companhia para melhores condições para a fotografia - os tempos são de retrocesso e a fotografia é o elo mais fraco no mundo do jornalismo que hoje se pratica. Não desistam. Não baixem os braços. Façam sempre o melhor que puderem. Ainda somos os olhos do mundo.

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Ok, já percebi que isto está mal. Que por muito que trabalhe, nunca vou ter dinheiro suficiente. Que vou andar sempre amargurado com a profunda injustiça que é sustentar chulices de gente que nem sequer conheço. Que vivo rodeado de mentirosos, de débeis, de corruptos, de malandros de toda a espécie. Que o futuro é negro e cada vez mais negro (e nem sei se ele existe). Que a moral é baixa e cada vez mais baixa. Que a justiça é um mito e a liberdade uma força de expressão. Mas macacos me mordam se me deixo derrotar. Esta é a minha terra e têm que ser muito mais Homens (isso, com H grande) para me tirar daqui - o que não são. Não, não fujo. Não me vou abaixo. Não desisto. Aqui o Sol brilha e é meu. Há dias assim, em que tudo nos parece profundamente inútil. Mas depois acordo.

domingo, 10 de julho de 2011

E pronto "Todos os Mundos Cabem Ali", já não cabe no Terreiro do Paço..foi bom enquanto durou. Next stop, Funchal Madeira